Somos brasileiros, talvez não tão patriotas como deveríamos.

E isso se torna pior ainda quando começamos a ver a verdadeira cara do Brasil. Como assim, ver a verdadeira cara do Brasil?

Infelizmente preciso escrever aqui coisas que pensei nunca ver em nossa amada pátria brasileira, de lindos e verdes campos, onde os bosques têm mais cores.

Não que não seja patriota, muito pelo contrario: depois que viajei por vários países da América do Sul e da Europa fiquei mais brasileiro que nunca. Eu aprendi a amar a minha terra e valorizar o que temos.

Mas meus conceitos mudaram quando comecei a viajar nos “Brasis” desconhecidos dos brasileiros que têm habilitação para dirigir, CPF, RG e título de eleitor.

Quando fui pela primeira vez para a Amazônia eu até entendi que naquele tão remoto universo de matas e águas era difícil ter tudo isso. Mas quando fui para o nordeste descobri que estava em outro Brasil, um Brasil totalmente desconhecido.

Brasileiros que não sabem ler, escrever, que não conhecem energia elétrica, água potável, ou melhor, que nem água vê direito.

Um Brasil onde homens e mulheres nascem, morrem e são enterrados em qualquer lugar sem sequer nunca ter obtido uma certidão de nascimento, sem nunca terem aprendido como se escreve seu próprio nome.

É nesse Brasil que quero te levar a partir de agora, e não quero ir muito longe, não. Vou te levar a uma terra turística, onde acontece o maior e mais longo carnaval do país, Bahia.

As pessoas de lá e muitos do Brasil do lado de cá dizem que é a Bahia de todos os santos, mas quando você chega lá vê que esses santos estão apenas em Salvador, a sua bela capital, banhada de lindas praias.

Mas quando se sai da capital e começa-se a ir aos seus interiores sem praias, mas com muito sol, começa-se a perceber que os santos não estão por ali, não.

Mas embarcando-se em um pequeno avião e indo para um pouco mais longe, bem lá no sertão, como em Riacho Seco, Cambaetó e outros povoados cujos nomes são difíceis de se lembrar, o leitor vai ver como não estou exagerando.

Aí, sim, vai ver que todos aqueles santos não vão estar por ali, na realidade quem vai estar por ali são os sertanejos famintos, magros, sem esperanças, sem água, que acordam e sentam-se na porta de suas casas e dali vão dormir na expectativa de que a qualquer hora dessas vai chover e, então, vão plantar aquele milho, aquele feijãozinho e a macaxeira.

Mas enquanto isso não acontece os Gideões Missionários da Última Hora estão fazendo a sua parte, mesmo que seja minúscula em relação ao gigante e seco agreste. Mas está fazendo, e isso ninguém pode discutir.

Os Gideões Missionários têm recrutado e preparado dezenas de pessoas para serem enviadas a esses campos para pregar a palavra de Deus e também produzir esperanças a esse povo que é o nosso povo.

Nessa região que mencionamos acima já construímos igrejas e estamos construindo outras. Muitos podem até dizer que construir igrejas não resolve, mas discordamos, porque quando se constrói igrejas, se faz ao lado dela ou até mesmo dentro dela refeitórios, e nesses refeitórios nossos missionários costumam fazer muita comida para os necessitados. Dentro dessas igrejas nossos missionários aprenderam que devem fazer obras sociais, e na medida do possível distribuir cestas básicas, algum medicamento, e ajudá-los de quaisquer outras formas.

Nesse mesmo campo missionário que mencionamos, queremos lembrar que se caminha horas nos leitos secos dos antigos rios para fazer pequenos buracos e tentar achar uma água negra e suja para se beber. Nesse mesmo lugar, quando alguém encontra algum animal que morreu de fome e sede, eles o carneiam e salgam aquela carne doente para dar a seus familiares no auge da fome.

Vale a pena você dar uma pausa nessa leitura e conferir as fotos que estão abaixo da matéria para conferir o que estamos dizendo.

Ou melhor ainda, procurar adquirir o DVD desse projeto e assisti-lo, pois assim vai viver com certeza cada palavra que escrevemos sobre isso.

Se há uma coisa que nós os Gideões Missionários temos é nos orgulhar daquilo que fazemos, pois nós falamos apenas aquilo que fazemos.

Estamos convictos de que você vai querer saber detalhadamente tudo sobre esse projeto, e queremos louvar a Deus pela vida de cada um de nossos missionários que estão ali dando as suas vidas em prol do Reino de Deus.

Mais uma vez insistimos que vale a pena adquirir esse projeto em DVD.