Missões no Piauí

Pão e Água Para o Sertão

No sertão do Piauí, em um lugar tão miserável e pobre, desconhecido por grande parte dos brasileiros, os Gideões trabalham ativamente através de homens e mulheres que renunciam diariamente o conforto e a tecnologia existente em grande parte dos municípios do país, que mantidos mensalmente através de contribuições voluntárias, evangelizam povoados onde não tem água, luz, e nenhum tipo de saneamento básico.

Nossos missionários presenciam em seu cotidiano, as atrocidades ocorridas entre pais e filhos, os costumes passados entre gerações, as reuniões espíritas entre familiares, o descaso em relação a falta de água, a falta de estrutura física e famíliar, a constante prostituição infantil, que são apenas alguns dos muitos problemas que chegam até nós. O trabalho infantil também é um dos preocupantes motivos pelos quais para lá enviamos missionários, crianças que mal pronunciam corretamente as palavras trabalham como se fossem adultos.

Os habitantes do Piauí sofrem com a seca, é a maior causadora de contaminações, mortes entre adultos e elevado nível de mortalidade infantil. A miséria, a pobreza e o descaso das autoridades pelos interioranos nordestinos mostram, ainda, a desestruturação das ações governistas em prol da beneficiação de povoados que existem nos interiores do Piauí. Algumas ações já feitas levam o povo a usufruírem de uma pequena parcela financeira mensal destinada pelo Governo Federal, o que fazem 29% da população do nordeste depender do Bolsa Família.

3.264.531 de habitantes

  • Católicos (85.1%)
  • Protestantes (9.7%)
  • Sem religião (3.4%)
  • Outras religiões (1.7%)

Contribuir

Piauí

O Piauí é é um dos 27 estados do Brasil, localiza-se no noroeste da Região Nordeste. O Piauí apresenta o segundo mais alto índice de analfabetismo do país. Aproximadamente 30% das residências não possuem água encanada. O índice de mortalidade infantil é de 26,2 para cada mil nascidos vivos. A cobertura vegetal é composta por mangue no litoral, mata de cocais a oeste e caatinga na maior parte. (Wikipédia)

Nosso trabalho no Piauí

Desenvolvemos um trabalho através de nossos missionários em regiões com uma das populações mais famintas e sedentas do Brasil. Nessas regiões muitos povoados desconhecem tecnologias que para urbanistas seriam ultrapassadas. São miseráveis, maltrapilhos à espera de ajuda.

A área para o evangelismo é abrangente, normalmente começam a evangelizar as crianças, pois estrategicamente, após aceitarem a Cristo, os missionários tem acesso aos pais e familiares, pessoas que ali habitam desde que seus ancestrais fugiam de fazendas onde eram escravos e passaram a viver como refugiados, totalmente desprovidas de bens materiais, alimentação e saneamento básico. A tradição ainda permanece, a cultura africana é visível, e as crenças e rituais os desafiam na hora da evangelização, sendo verdadeiramente um grande desafio.

Não há nenhuma instrução quanto ao controle da natalidade infantil. Nossas ações visam esclarecer as verdades relacionadas ao evangelho, com intenção de formar uma sociedade de moral fundamentada nos preceitos do cristianismo.

Os missionários não levam somente o evangelho, mas também realizam ações sociais, através de doações de alimentos, vestimenta, água e outras ações, pois a fé deve estar totalmente aliada às obras. Máquinas de costura, são usadas para ensinar mulheres carentes. Capacitando estas mulheres não somente com o ensinamento de uma profissão, mas palestrando a elas semanalmente sobre assuntos diversos relacionados com a palavra de Deus.

A maior dificuldade, como em grande parte do interior do Piauí, é a falta de água. A pouca água que tem para os habitantes saciarem sua sede, é a mesma onde bois, cachorros e alguns outros animais tomam banho e urinam. Um poço artesiano custa o equivalente a R$ 15.000,00, dependendo da profundidade alcançada. Esta constante falta de água move colaboradores do Brasil e exterior que enviam sua oferta, através de campanhas, para compra de caminhões pipas, pois em determinadas situações até mesmo os reservatórios secam, deixando a população dessas regiões sedenta,

Dificuldades como estas servem para que continuemos investindo neste projeto, pois o povo brasileiro tem grande necessidade de ser evangelizado. Nossa consciência cristã, moral e social faz com que avancemos, e tomemos a responsabilidade de implementação de novos projetos que gerem em pessoas mudanças interiores através da pregação do evangelho, mas, também, o alcance e transformação do contexto social em que vivem.